Integridade sexual

A jovem Megan passou a residir longe de casa para estudar. Era sua primeira vez longe de casa para um longo período. Embora ela tivesse sido ensinada sobre a imoralidade sexual, e embora conhecesse o que a Bíblia e a igreja ensinam sobre isso, de repente, ela se achou em situações em que a pressão para ceder era muito grande. Ela sabia que estava errada, sabia que não era isso que ela queria para a vida, sabia que Deus tinha algo melhor para ela. A princípio, ela foi forte; a princípio, ela resistiu. Então, lenta mas seguramente, ela fez concessões, um passo de cada vez. No princípio, o senso de culpa foi terrível; mas, com o passar do tempo, ela já não se incomodava tanto como antes – até descobrir que tinha uma incurável doença sexualmente transmitida. Então, e só então, ela começou realmente a ponderar na realidade de seus erros.

A imoralidade sexual em si já é bastante ruim. É pecado, e o pecado prejudica nossa relação com Deus e com os outros. Mas, nesta época, pode ser um perigo físico muito real. Existem numerosas doenças sexualmente transmitidas, desde a herpes até o HIV-AIDS, que podem ser fisicamente devastadoras. A maneira mais correta de se proteger dessas doenças é seguir os princípios bíblicos de moralidade sexual. O prazer sexual é reservado para um homem e uma mulher dentro do casamento. Ponto. Qualquer coisa fora disso está distante do plano de Deus e está errada; ainda mais, pode também levar a algumas consequências físicas muito sérias.

E também não são só as consequências físicas. O custo emocional pode ser terrível, especialmente para as mulheres, sobre quem, frequentemente, recai mais pesadamente o estigma da imoralidade sexual, por mais injusto que seja. Até algumas organizações seculares concordam que a abstinência sexual fora do casamento é a melhor escolha que a pessoa pode fazer.

De particular interesse hoje é a questão da pornografia, a qual, desde o surgimento da internet, é mais predominante do que nunca. Só Deus sabe quantos milhões de vidas serão arruinados por esse açoite terrível. Existe ajuda para os que são apanhados nessa armadilha; porém, para muitos, a vergonha parece tão grande que têm medo de buscar a ajuda de que precisam.

Fonte: Lição da Escola Sabatina dos adultos, quinta 03/06/10.

Anúncios

Tags: , , , ,


%d blogueiros gostam disto: